Dispositivos de Infusão intratecal (Bomba de Morfina)

O que é a chamada "Bomba de Morfina"?

Muitos pacientes utilizam opióides (morfina, metadona, oxicodona entre outros), para alívio de suas dores. Estes opióides, quando ingeridos (via oral) apresentam diversos efeitos colaterais que limitam o aumento de dose. Em determinadas condições, notadamente na dor oncológica, não se consegue chegar em uma dose efetiva pela via oral (ocorrem muitos efeitos colaterais). Nesta condição, podemos injetar morfina diretamente no liquor (espaço intratecal) para conseguirmos uma dose alta desta medicação diretamente em seu local de ação, diminuindo os efeitos colaterais e aumentando a eficácia do controle da dor. 

A bomba de Morfina é utilizada apenas em pacientes com Câncer?

Não. O implante de bomba de morfina pode ser utilizado em diversas doenças que causam dor intensa. O uso atual mais comum é neste cenário, de pacientes com dor oncológica. 

Como é o procedimento de implante desta Bomba de morfina?

Este procedimento é realizado no centro cirúrgico, nossa equipe utiliza a anestesia geral. Através de uma punção liquórica, introduzimos um cateter no espaço intratecal (ao lado da medula). COnctamos este cateter a um reservatório que tem a capacidade de ser programado (bomba) e que empurra a medicação com uma predeterminada vazão. Trata-se de um procedimento rápido, pouco invasivo. 

Após implantada, existe algum cuidado especial?

Sim. No mercado atual, temos dois tamanhos diferentes de Bombas: 20 e 40 ml. AMbas devem ser recarregadas (enchidas com morfina) a cada 6 meses no máximo (a morfina, em temperatura corporal, perde a estabilidade após 6 meses). A recarga é realizada através de uma gulha (uma injeção) e pode ser realizada no centro cirúrgico ou mesmo em ambulatórios.